sábado, 26 de agosto de 2017

DIA DO CATEQUISTA: 27 DE AGOSTO

Catequizar: vocação dos discípulos de Jesus Cristo
No dia 28 de agosto comemoramos um dos maiores doutores da fé católica: o bispo santo Agostinho, que, após uma longa procura pela verdade, encontrou-a nas catequeses e homilias de Santo Ambrósio, Bispo de Milão. A partir deste encontro com Jesus, Agostinho embarca na aventura da vida cristã, à qual foi fiel até o último suspiro. No dia 27 de agosto,  nós celebramos o “Dia do Catequista”, uma das vocações leigas mais importantes para o anúncio do Evangelho.
Acredito que muitos, assim como eu, também guardam feliz memória de seus tempos de catequese. Lembro-me de uma música que minha turma sempre cantava: “Quem é que vai nessa barca de Jesus, quem é que vai? Eu vou! Eu vou!”. A música é simples, mas fala da mais sublime verdade da vida humana: somos convidados a subir à barca de Jesus, somos convidados ao discipulado.
O catequista é testemunha em primeira pessoa desta dinâmica do chamado e da resposta dos jovens discípulos. É verdade que isto não acontece sem esforços, lutas, superações, lágrimas e frustrações, que acompanham a vida de todos os que se dispõe a trabalhar para Deus, mas não é menos verdadeiro também que a tarefa de catequizar traz a satisfação interior de cumprir uma missão divina e a alegria de ver alguns frutos.
Assim, o catequista tem uma dupla missão: ser discípulo e fazer discípulos. Tarefa que requer generosidade, alegria, criatividade, perseverança, espírito de sacrifício, amor... Os antigos veículos de transmissão da fé, como a cultura, a sociedade, a família e a escola, perderam sua força no contexto moderno. Por isso mesmo o catequista precisa resistir! Sua tarefa se torna cada vez mais necessária e exigente.
Santo Agostinho soube ser discípulo e soube fazer discípulos. Que as muitas homenagens que se multiplicarão nestes dias para homenagear os catequistas de nossa Igreja fortaleçam ainda mais estes homens e mulheres de fé!
A PASCOM da Diocese de Jacarezinho agradece a todos os catequistas tomando como empréstimo algumas palavras do Papa Francisco.
"Caros catequistas, digo a vocês obrigado por aquilo que fazem, mas, sobretudo, porque vocês estão na Igreja, no Povo de Deus em caminho. Permaneçamos com Cristo, procuremos ser sempre uma só coisa com Ele; O sigamos imitando-O em seu movimento de amor, no seu ir ao encontro do homem; e saiamos, abramos as portas, tenhamos a audácia de trilhar novas estradas para o anúncio do Evangelho!” (Papa Francisco, no encontro com catequistas em 2013)

sábado, 5 de agosto de 2017

06/08 – Transfiguração do Senhor

A festa da “Transfiguração do Senhor” acontece no mundo cristão desde o século V. Ela nos convida a dirigir o olhar para o rosto do Filho de Deus, como o fizeram os apóstolos Pedro, Tiago e João, que viram a Sua transfiguração no alto do monte Tabor, localizado no coração da Galiléia. O episódio bíblico é relatado distintamente pelos evangelistas Mateus, Marcos e Lucas. Assim, segundo São Mateus 9,2-10, temos: “Jesus tomou consigo a Pedro, Tiago e João, e conduziu-os a sós a um alto monte. E transfigurou-se diante deles. Suas vestes tornaram-se resplandecentes e de uma brancura tal, que nenhum lavadeiro sobre a terra as poderia fazer assim tão brancas. Apareceram-lhes Elias e Moisés, e falavam com Jesus. Pedro tomou a palavra: “Mestre, é bom para nós estarmos aqui; faremos três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Com efeito, não sabia o que falava, porque estavam sobremaneira atemorizados. Formou-se então uma nuvem que os encobriu com a sua sombra; e da nuvem veio uma voz: “Este é o meu Filho muito amado; ouvi-O”. E olhando eles logo em derredor, já não viram ninguém, senão só a Jesus com eles. Ao descerem do monte, proibiu-lhes Jesus que contassem a quem quer que fosse o que tinham visto, até que o Filho do homem houvesse ressurgido dos mortos. E guardaram esta recomendação consigo, perguntando entre si o que significaria: Ser ressuscitado dentre os mortos”. A intenção de Jesus era a de fortalecer a fé destes três apóstolos, para que suportassem o terrível desfecho de Sua paixão, antecipando-lhes o esplendor e glória da vida eterna. Também foi Pedro, que depois, recordando com emoção o evento, nos afirmou: “Fomos testemunhas oculares da Sua majestade” (2 Pd 1, 16). O significado dessa festa é, e sempre será, o mesmo que Jesus pretendeu, naquele tempo, ao se transfigurar para os apóstolos no monte, ou seja, preparar os cristãos para que, em qualquer circunstância, permaneçam firmes na fé no Cristo. Melhor explicação, só através das inspiradas palavras do Papa João Paulo II, quando nesta solenidade em 2002, nos lembrou que: “O rosto de Cristo é um rosto de luz que rasga a obscuridade da morte: é anúncio e penhor da nossa glória, porque é o rosto do Crucificado Ressuscitado, o único Redentor da humanidade, que continua a resplandecer sobre nós (cf. Sl 67, 3)”. Somente em 1457, esta celebração se estendeu para toda a cristandade, por determinação do Papa Calisto III, que quis enaltecer a vitória, do ano anterior, das tropas cristãs sobre os turcos muçulmanos que ameaçavam a liberdade na Europa.Outros Santos do mesmo dia: Bom Jesus, Santos Justo e Pastor, Santa Homisdas, Santa Aberta, Beato Carlos Lopes Vidal, Santa Cremete, Beata Maria Francisca de Jesus Rubato, Beato Tadeu Dulny e Beato Otaviano de Sabóia.
Prof:Felipe Aquino

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

AGOSTO MÊS VOCACIONAL

ESTAMOS NO INÍCIO DO MÊS VOCACIONAL, AGOSTO FOI INSTITUÍDO PELA CNBB NA SUA ASSEMBLÉIA GERAL DE 1981 COMO O MÊS VOCACIONAL. ESTE PERÍODO É CARACTERIZADO POR 5 DOMINGOS COM DESTAQUES ESPECIAIS, VEJA QUAIS SÃO:

No primeiro domingo destacamos o dia do padre, a motivação é a festa de São João Maria Vianey, lembrada no dia 04 de agosto, padroeiro dos párocos.
No segundo domingo celebramos o dia dos pais, recordamos, então, o chamado a gerar vida, a continuar com a obra criadora de Deus. Ser pai e ser mãe, constituir família, assumir um estado de vida na Igreja. Inicia-se neste Domingo a SEMANA NACIONAL DA FAMÍLIA.
No terceiro domingo celebramos a vocação consagrada, feminina e masculina, motivados pela festa da Assunção de Maria, modelo de todos aqueles que dizem sim ao chamado de Deus para um entrega total.
No quarto domingo trazemos presente todos os ministérios leigos, a vocação de todos os batizados.
No quinto domingo celebramos e agradecemos a Deus a generosidade dos catequistas.
A vocação é a resposta de Deus providente a uma comunidade que reza. Rezemos pelas vocações e façamos tudo o que estiver ao nosso alcance para cumprir o mandato de Jesus: “Pedi ao Senhor da messe que envie operários para a sua messe” (Mt 9,38).