sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Santuário Bom Jesus recebe imagem de São Zygmunt Felinski

No dia 11 de janeiro na capital Curitiba, o Pároco Reitor do Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus da Pedra Fria de Jaguariaíva (PR) Padre Maycon José da Silva recebeu da Superiora Geral da Congregação das Irmãs Franciscanas da Sagrada Família de Maria, Madre Fabíola Ruszczyk uma imagem de São Zygmunt Felinski, fundador da Congregação e canonizado pelo Papa Bento XVI em 2009.
O presente, segundo a superiora, destina-se em fazer memória do trabalho árduo e caridoso das congregação religiosa em todo município de Jaguariaíva e região, atividades estas que perduraram por mais de meio século tendo como início a fundação de um Educandário nos anos de 1930. Até hoje os jaguariaivenses sentem saudades das irmãs que atuaram com tanto esmero na localidade. Para tanto nomes como o de Alfonsa Szynda, Ludvina Vitória Szychta, Crispina Jubel, Andréia Maria Madalena Mikosz, Cida e Anair Ançanello são até hoje lembrados pela comunidade.
A imagem foi devidamente entronizada pelo Pároco Reitor no altar no Sagrado Coração no referido Santuário.
Dados Biográficos de Zygmunt Felinski

 Nascido de uma família nobre e cristã, a 1º de novembro de 1822, em Wojutym - Polônia, filho de Eva e Geraldo Felinski.
Educado em ambiente religioso, onde aprendeu desde a infância o verdadeiro amor a Deus, à Virgem Maria, ao próximo e à Pátria. Sua adolescência foi marcada pela dor e sofrimento. Perdeu seu pai aos onze anos e, aos dezesseis, sua mãe foi exilada para a sibéria. Estudou na Universidade de Moscou e em Paris, na sorbone, tornando-se professor de Matemática.
Lutou em defesa da Pátria, onde experimentou a dor da derrota e também sentiu profundamente a morte de seu grande amigo e companheiro de luta, o poeta Júlio Slowacki.
Após essas experiências dolorosas, refletiu sobre sua vida até aquele momento e decidiu entrar no Seminário e, em 1855, na cidade de Petersburgo - Rússia, foi ordenado sacerdote.
Em 1857, observando o sofrimento das crianças e idosos abandonados de Petersburgo, iniciou a fundação da Congregação das Irmãs da Sagrada Família.
Em 1862 foi nomeado Arcebispo de Varsóvia - Polônia, na qual desenvolveu suas atividades pastorais com coragem no serviço de Deus. Mas, por não compactuar com o governo russo e por defender os direitos do povo e da Igreja, foi preso e levado para o exílio na Sibéria - Rússia, onde permaneceu 20 anos exilado. Durante o período de exílio, viveu em profunda sintonia com Deus e exerceu suas atividades de pastor ajudando aos irmãos necessitados, sem esquecer da Congregação que fundara.
Quando regressou do exílio, fixou residência em Dzwiniaczka - Galícia, dedicando todo o seu tempo e suas forças à Igreja, à Congregação que fundara e à Nação. Zelou pela cultura do povo, organizou o ensino elementar nas Escolas e Orfanatos e dirigiu a catequese com o máximo de amor até os últimos dias de sua vida.
Faleceu na cidade de Cracóvia - Polônia, a 17 de setembro de 1895, aclamado por todos, como "Homem Santo".
No dia 22 de agosto de 2002, na cidade de Cracóvia - Polônia, pelas palavras do Papa João Paulo II, a Igreja reconheceu a santidade de Zygmunt Felinski, colocando-o entre os Bem Aventurados.
Foi Canonizado no dia 11 de outubro de 2009 por Sua Santidade o Papa Bento XVI.


 Fotos/Rafael Pomim


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

ENTENDA O SIGNIFICADO DO ADVENTO

Significado

O Ano Litúrgico começa com o tempo do Advento; um tempo de preparação para a Festa do Natal de Jesus. Este foi o maior acontecimento da História: o Verbo se fez carne e habitou entre nós. Dignou-se a assumir a nossa humanidade, sem deixar de ser Deus. Esse acontecimento precisa ser preparado e celebrado a cada ano. Nessas quatro semanas de preparação, somos convidados a esperar Jesus que vem no Natal e que vem no fim dos tempos.
Nas duas primeiras semanas do Advento, a liturgia nos convida a vigiar e a esperar a vinda gloriosa do Salvador. Um dia, o Senhor voltará para colocar um fim na História humana, mas o nosso encontro com Ele também está marcado para logo após nossa morte.
Nas duas últimas semanas, lembrando a espera dos profetas e de Maria, nós nos preparamos mais especialmente para celebrar o nascimento de Jesus em Belém. Os Profetas anunciaram esse acontecimento com riqueza de detalhes: nascerá da tribo de Judá, em Belém, a cidade de Davi; seu Reino não terá fim… Maria O esperou com zelo materno e O preparou para a missão terrena.
Coroa do Advento:
Para nos ajudar nesta preparação usa-se a Coroa do Advento, composta por 4 velas nos seus cantos – presas aos ramos formando um círculo. A cada domingo acende-se uma delas. As velas representam as várias etapas da salvação. Começa-se no 1º Domingo, acendendo apenas uma vela e à medida que vão passando os domingos, vamos acendendo as outras velas, até chegar o 4º Domingo, quando todas devem estar acesas. As velas acesas simbolizam nossa fé, nossa alegria. Elas são acesas em honra do Deus que vem a nós. Deus, a grande Luz, “a Luz que ilumina todo homem que vem a este mundo”, está para chegar, então, nós O esperamos com luzes, porque O amamos e também queremos ser, como Ele, Luz.
Significado do Termo:
Advento vem de adventus do latim, que significa vinda, chegada, cujo início se dá próximo a 30 de novembro e termina em 24 de dezembro. Forma unidade com o Natal e a Epifanía.

Cor litúrgica e sentido:

A Liturgia neste tempo é o roxo. O sentido do Advento é avivar nos fiéis a espera do Senhor.
Fonte: Tarde com Maria.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Presidente da CNBB saúda abertura do Ano do Laicato na Festa do Cristo Rei

No último domingo do ano litúrgico, dia 26/11, data em que se comemora a Festa de Cristo Rei, a Igreja no Brasil dá abertura em todo território nacional ao Ano Nacional do Laicato, que se estende até 25 de novembro do próximo ano.O arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha, saúda a realização deste ano como uma oportunidade de valorizar ainda mais a presença e a missão dos cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade. “Nós temos a alegria de começar no Brasil o Ano do Laicato, aprovado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, contando de modo especial com a Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato”, disse.

De acordo com o cardeal, toda Igreja no Brasil é convidada a vivenciar intensamente o Ano do Laicato por meio de orações, celebrações e reflexões mas sobretudo incentivando e apoiando uma participação sempre maior dos cristãos leigos e leigas na vida da Igreja e da sociedade para que sejam de fato sal da terra e luz do mundo numa Igreja em saída.

Mística e tema – O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14.

Segundo o bispo de Caçador (SC), dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato, a mística do apaixonamento e seguimento a Jesus Cristo é a tônica a ser trabalhada em todas as comunidades e dioceses do país o que leva o cristão leigo a tornar-se, de fato, um missionário na família e no trabalho e onde estiver vivendo.

A festa de Cristo Rei foi criada pelo papa Pio XI em 1925. O pontífice instituiu que fosse celebrada no último domingo de outubro. Na reforma litúrgica passou ao último domingo do ano litúrgico como ponto de chegada de todo o mistério celebrado, para dar a entender que Ele é o fim para o qual se dirigem todas as coisas.
“Que Deus abençoe a todos que já estão se empenhados na realização deste Ano do Laicato. Que ele possa produzir muitos frutos pela participação de tanta gente e, acima de tudo, pela graça de Deus”, rogou dom Sergio.
Por CNBB

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

CIRCUITO ECOTURÍSTICO RELIGIOSO NA SANTA DO PAREDÃO 2017

Dia 29 de Outubro,último domingo do mês após a mudança da Tradicional Festa na Santa do Paredão, o dia estava maravilhoso iniciando com a saída dos romeiros às 5h da manhã na frente do Santuário que caminharam a pé 25 Km até o Local.Às 10h30 foi celebrada a Santa Missa Campal pelo Pároco Reitor do Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus da Pedra Fria Padre Maycon José da Silva, e concelebrada pelos Padres Ivan Pedro de Oliveira da Pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças, e Padre Rodinaldo José da Silva Vigário Paroquial da Paróquia São Francisco e Santa Terezinha. Os Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão Eucarística foram responsáveis pela Ornamentação, leituras e canto.Muitos Romeiros vieram de várias cidades com suas caravanas, Rio Branco do Sul, Castro, Piraí do Sul,Arapoti, Itararé, e  Dr.Ulysses, Cerro Azul.
É um Circuito Religioso onde a fé de cada um ao chegar na Santa do Paredão muitos agradecem pelas graças recebidas e outros vão pedir graças.
Após a Santa Missa tem o tradicional churrasco, barracas de pastéis e refrigerantes,momento de confraternização, entre os romeiros visitantes, e a comunidade Jaguariaívense.
Organizado pela Pastoral do Santuário Senhor Bom Jesus da Pedra Fria. 
Padre Maycon comunicou que no próximo ano 2018 será no Terceiro Domingo de Outubro, o Circuíto Ecoturístico Religioso da Santa do Paredão.
































Fotos:Rosangela Ginaque Pomim

Santuário Bom Jesus recebe imagem de São Zygmunt Felinski

No dia 11 de janeiro na capital Curitiba, o Pároco Reitor do Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus da Pedra Fria de Jaguariaíva (PR) Padre...